O Conselho de Administração da TAP vai apresentar esta manhã, às 10:30, por vídeoconferência o plano de reestruturação da companhia aérea que foi aprovado na terça-feira em Conselho de Ministros. O Governo ainda não se pronunciou oficialmente sobre o documento, nem sobre a sua aprovação.

O plano de reestruturação da TAP deverá incluir, uma ajuda pública que no total ascende a três milhões de euros, sendo que esse valor pode resultar de injeções de fundos, ou de garantias de estado. 

É ainda uma exigência da Comissão Europeia a concessão de um empréstimo do Estado de até 1.200 milhões de euros, para fazer face às dificuldades da companhia, decorrentes do impacto da pandemia de covid-19 no setor da aviação.

O objetivo do plano é atingir o equilíbrio operacional em 2023. A partir de 2024, a empresa de aviação espera conseguir gerar fundos para amortizar a dívida sem haver necessidade de novos financiamentos.

Só se esperam lucros na TAP em 2025, o último ano do plano de reestruturação.

A companhia aérea TAP agravou os prejuízos nos primeiros nove meses do ano para 700,6 milhões de euros, depois do prejuízo de 110,8 milhões de euros no mesmo período de 2019.

O resultado significa um agravamento dos prejuízos em 589,8 milhões de euros relativamente ao mesmo período do ano passado, para o qual contribuíram os 118,7 milhões de euros de resultados negativos no terceiro trimestre deste ano.