“É das reformas com maior impacto territorial e social, uma vez que estamos a falar de água. Se nada fosse feito isso levaria a um aumento de 70 por cento das tarifas ou em contrapartida à privatização”, afirmou aos deputados Jorge Moreira da Silva.








“Estou muito convicto desta reforma, mas não estou alheado da realidade. Sempre estivemos disponíveis para ouvir e comparar propostas alternativas, mas não vi nenhuma. Houve muito tempo”, afirmou.










“Saíram de forma pacífica e sem polémica. De forma amigável e negociável”, ressalvou.




Redação / LF