Actualizada às 10h20 de sábado com mais informações

A agência de notação financeira Moody`s baixou esta sexta-feira o rating de solvabilidade da Grécia em um nível, de Ca para C - o pior da escala, com perspetivas «extremamente fracas de atingir qualquer condição real de crescimento».

Em comunicado divulgado esta sexta-feira, a Moody`s justifica a decisão com a recente operação de troca de títulos de dívida grega, que «implicam a perda para os investidores de mais de 70 por cento».

No último dia 24 de fevereiro, a Grécia lançou oficialmente a operação de troca de obrigações detidas pelos credores privados para eliminar 107.000 milhões de euros da dívida, como previsto no plano de resgate imposto pela Zona Euro.

Esta operação, sem precedentes na história financeira, pretende reduzir em 53,5 por cento a dívida detida pelos bancos, seguradoras e fundos de investimento, para aligeirar o peso de toda a dívida grega (privada e pública), que ascende aos 350.000 milhões de euros.

«A proposta de troca de dívida anunciada implica que os credores privados vão incorrer em perdas económicas substanciais nos títulos de dívida do governo grego», afirma a Moody`s, citada pela Lusa.

A agência acrescenta que «a diferença percentual entre o valor do título, a promessa inicial dos títulos de dívida pública gregos existentes e o valor que os investidores vão receber na troca excede os 70%».

E é uma operação de troca de dívida - que envolve o setor privado - constitui «uma troca desordenada e, por isso, um incumprimento dos títulos gregos».

A agência considera que há uma situação de incumprimento quando há perdas para os investidores face à promessa de retorno inicial e quando é provável um incumprimento descontrolado na ausência de uma operação de troca de títulos.

«As duas condições reúnem-se neste caso, dado que o envolvimento do setor privado foi uma das condições prévias para a Grécia obter um financiamento adicional e oficial e, assim, evitar uma situação de incumprimento descontrolado de pagamentos».

A Moody`s adverte ainda que Atenas enfrenta uma série de desafios de solvabilidade no médio prazo.

«O stock de dívida vai continuar bem acima dos 100% do produto interno bruto (PIB) por muitos anos, é improvável que o país consiga aceder ao mercado privado assim que acabar o segundo pacote de assistência e as reformas orçamentais e económicas planeadas vão enfrentar sérios riscos na sua implementação».

Com tantas possibilidades negativas pela frente, a Moody`s não coloca, no entanto, a nota da Grécia em revisão, não ameaça um novo corte, porque «a muito elevada probabilidade de um incumprimento pelos títulos de dívida pública gregos» e o facto de a nota agora atribuída (C) ser a mais baixa da escala da agência já serem o bastante.
Redação / MM com VC