«Eu acredito que Portugal poderá beneficiar do que vier a ser estabelecido para a Grécia». Palavras do presidente do BES, para quem não há «razão para haver discriminação» entre os países que pediram ajuda externa.

Ricardo Salgado não se quis adiantar, contudo, sobre quais as condições mais benéficas a que se referia, afirmando que tem de se esperar pelo que em concreto vier a ser estabelecido para o caso grego.

Já sobre se essas condições mais benéficas poderão tornar mais credível o regresso de Portugal ao financiamento nos mercados em setembro de 2013, Salgado disse, citado pela Lusa, que o país «está a regressar aos mercados» e que «todos os dias» tem havido evoluções positivas. Deu, até, como exemplo, as recentes emissões de dívida do BES e da Caixa Geral de Depósitos (CGD).

O banqueiro falava à margem da entrega de prémios Exame Banca&Seguros, em Lisboa.
Redação