Faltam 70 mil casas em Portugal para fazer face aos problemas habitacionais do país, advertiu esta quarta-feira o presidente da APEMIP - Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal.

[O país está] num ciclo vicioso. Há pouca oferta e muita procura, que faz com que o valor das casas suba e deixe de estar ao alcance das famílias. Para atenuar os problemas habitacionais, seria necessário introduzir no mercado cerca de 70 mil casas novas. Destas, mais de metade deveriam aparecer em Lisboa e Porto, onde se concentra mais de 50% da procura”.

Para Luís Lima, a solução para este problema passa por investir em “construção nova”, lê-se em comunicado.

Só que, segundo dados recolhidos pela entidade, “no primeiro semestre de 2018 foram licenciados 7.510 edifícios para construção nova em Portugal, dos quais 5.591 serão dirigidos para habitação familiar, o que corresponde a 9.836 fogos que estarão disponíveis no mercado”.Valores que, frisou, ficam “muito aquém das necessidades habitacionais”.

Começa a haver dinâmica no mercado de construção, que nos poderá induzir em erro e dar a falsa sensação de que o mercado está a agir para colmatar a necessidade de renovação de ‘stock’”. [Demora algum tempo] até estes ativos entrarem no mercado, tempo que os jovens e famílias não podem esperar para poderem ter uma casa. Muita desta construção está a ser dirigida para o mercado médio-alto e alto, não dando resposta às necessidades da classe média e média baixa, que é quem mais sofre com a ausência de casas”.

Veja também:

A APEMIP deu ainda conta das últimas estatísticas do Instituto Nacional de Estatística (INE) neste setor, que apontam para um crescimento de 14% face ao período homólogo no licenciamento de construção nova.

A habitação familiar destinavam-se 74%, mais 25% do que em igual período do ano anterior.