As rendas das casas em Portugal continental cresceram 3,9% no quarto trimestre de 2018, face ao trimestre anterior, invertendo, assim, a tendência de suavização do crescimento verificada ao longo desse ano, segundo dados da Confidencial Imobiliário hoje divulgados.

No âmbito do Índice de Rendas Residenciais (IRR), indicador que acompanha a evolução das rendas de habitação dos novos contratos de habitação celebrados em Portugal continental, a Confidencial Imobiliário apurou que, no primeiro trimestre de 2018, as rendas subiram 3,6%, em termos trimestrais, crescimento que abrandou para 2,4% no segundo trimestre e 1,3% no terceiro trimestre desse ano.

Com base nestes dados, a subida trimestral de 3,9%, registada no final de 2018, em relação ao trimestre anterior, reflete uma “inversão da tendência de suavização do crescimento” das rendas das casas.

Em termos homólogos, verificou-se também uma aceleração da subida das rendas no último trimestre de 2018, embora de forma menos vincada do que a registada na evolução em cadeia”, avançou a Confidencial Imobiliário.

De acordo com o índice, o ano de 2018 terminou com um aumento homólogo de 11,7%, ligeiramente acima dos cerca de 11% registados nos dois trimestres anteriores, mas ainda em baixa com a subida de 13% observada no início do ano.

A variação homóloga do quarto trimestre é a segunda mais elevada dos últimos oito anos (este índice reporta a uma série iniciada em 2010), sendo apenas superada pela já referida subida do primeiro trimestre de 2018”, revelou a empresa Confidencial Imobiliário, com base nos dados do índice IRR.

De acordo com a monitorização do preço das casas arrendadas em Portugal continental, “desde meados de 2017 que as rendas em Portugal crescem acima dos 10%, período a partir do qual o ciclo de recuperação iniciado no final de 2014 ganhou robustez”.

“Desde que as rendas atingiram o seu mínimo, em início de 2014, já recuperaram 34%”, indicou a Confidencial Imobiliário, explicando que, tendo em conta todo o ciclo desde 2010, o nível de crescimento é, contudo, mais contido, sendo a subida acumulada das rendas de 16% em oito anos, o que reflete a absorção de um período de perca que durou cerca de quatro anos e que redundou numa descida acumulada de 13%.

Produzido pela empresa Confidencial Imobiliário, o índice IRR é apurado com base nos preços efetivos de transação, informação que resulta do SIR - Sistema de Informação Residencial que regista dados de oferta e vendas, através de um levantamento de informações junto de promotores, mediadores e avaliadores imobiliários, além da banca.