A hotelaria do Algarve registou no mês de junho uma taxa global de ocupação média por quarto de 10,3%, uma quebra de 68,9% em relação ao mesmo mês de 2019, anunciou esta segunda-feira a maior associação hoteleira da região.

De acordo com a Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA), o mercado nacional foi o que registou a menor descida - menos 58,7% -, representando 82,7% do total das dormidas em junho no Algarve.

Segundo a AHETA, o volume de vendas apresentou uma descida de 81,2% em relação ao mesmo mês do ano anterior, quebra causada pelo efeito da pandemia provocada pelo novo coronavírus que começou a afetar o setor do turismo a partir do mês de março.

De acordo com os dados avançados pela associação no resumo da evolução mensal da atividade no setor, a ocupação cama regista em valores acumulados desde janeiro deste ano, uma descida média de 66,7% e o volume de vendas uma descida de 49,6% face ao período homólogo de 2019.

No Algarve, 85% dos hotéis reabriram em junho ou reabrem agora, no início de julho, um número, ainda assim, animador – tendo em conta as previsões do setor no início da pandemia de Covid-19, que não apontavam para que tantas unidades reabrissem ainda este ano.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 531 mil mortos e infetou mais de 11,3 milhões de pessoas em todo o mundo.

Em Portugal morreram 1.614 pessoas das 43.897 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

/ SS