O valor médio de avaliação bancária subiu três euros, para 1.114 euros por metro quadrado (m2) em maio face ao mês anterior, ultrapassando o recorde que tinha atingido em abril, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Segundo os dados do INE, o valor de 1.111 euros por metro quadrado registado em abril era o mais alto desde pelo menos janeiro de 2011, a primeira data da série estatística do instituto.

De acordo com o Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação do INE, os 1.114 euros por metro quadrado de maio representam uma subida de 0,3% relativamente a abril e um aumento de 8,9% face ao mesmo mês do ano anterior.

Dadas as “circunstâncias excecionais” decorrentes da pandemia de covid-19, o número de avaliações bancárias consideradas ascendeu a cerca de 19 mil, menos 21% que no mesmo período do mês do ano anterior.

A nível regional, a maior subida face ao mês anterior registou-se no Alentejo (3,1%), tendo a única descida acontecido na Região Autónoma da Madeira (-0,5%).

Em comparação com o mesmo período do ano anterior, o valor mediano das avaliações cresceu 8,9%, destacando-se a Área Metropolitana de Lisboa (11,2%) com a taxa de variação homóloga mais elevada para o conjunto das avaliações e o Alentejo (2,5%) com a menor.

Em maio, o valor médio de avaliação dos apartamentos foi de 1.212 euros/m2, aumentando 9,4% relativamente ao mês homólogo de 2019, tendo o valor mais elevado sido observado na Área Metropolitana de Lisboa (1.485 euros/m2) e o mais baixo no Alentejo (864 euros/m2).

Face a abril, o valor para apartamentos subiu 0,2%, com a Região Autónoma dos Açores a apresentar a maior subida (4,4%) e a da Madeira a maior descida (-1,6%).

Já em termos homólogos, a Região Autónoma dos Açores apresentou o crescimento “mais expressivo” (15,6%) e a da Madeira o mais baixo (7,1%).

O valor mediano da avaliação para apartamentos T2 desceu um euro, para 1.234 euros/m2, tendo os T3 subido um euro, para 1.094 euros/m2. No seu conjunto, estas tipologias representaram 80,7% das avaliações de apartamentos realizadas em maio.

Quanto às moradias, o valor médio de avaliação bancária subiu 8,0% em termos homólogos, para 953 euros/m2, com os valores mais elevados a observarem-se no Algarve (1.612 euros/m2) e na Área Metropolitana de Lisboa (1.485 euros/m2), enquanto o Alentejo registou o valor mais baixo (805 euros/m2).

Comparativamente com abril, o Alentejo apresentou o maior aumento (5,5%) e a Madeira o mais baixo (0,3%), enquanto em termos homólogos o Algarve apresentou o maior crescimento (17,2%) e a única descida ocorreu no Alentejo (-0,2%).

Comparando com o mês anterior, os valores das moradias T2, T3 e T4, tipologias responsáveis por 57,4% das avaliações, atingiram os 813 euros/m2, 849 euros/m2 e 961 euros/m2, correspondendo a aumentos de três euros, 15 euros e 32 euros, respetivamente.

Numa análise por regiões NUTS III, em maio o INE destaca a Área Metropolitana de Lisboa, o Algarve e o Alentejo litoral pelos valores de avaliação superiores à média nacional (36%, 33% e 2%, respetivamente), enquanto as regiões da Beira Baixa e das Terras de Trás-os-Montes foram as que apresentaram os valores mais baixos em relação à mediana do país (-40% ambas).

/ BC