Quem escolher trabalhar a partir de casa deve ser obrigado a uma tributação de 5% do seu salário para ajudar a  sustentar os trabalhadores cujos empregos estão sob ameaça.

É esta a opinião de um grupo de investigadores do Deutsche Bank Research, que propôs um imposto sobre os trabalhadores remotos assim que a pandemia terminar. 

O conceito apoiaria a recuperação económica e subsidiária de pessoas cujos empregos exigem deslocação constante para fora de casa.

Contas feitas, os analistas acreditam que esta medida poderia render, por exemplo nos Estados Unidos, cerca de 48 mil milhões de dólares ( 40.543 mil milhões de euros), um valor que impulsionaria o restabelecimento do equilíbrio económico.

O banco traça ainda outro cenário: no Reino Unido, um imposto deste tipo geraria um total de 7,7 mil milhões de euros por ano, um montante que podia ser direcionado para pagar subsídios de 2, 2 mil euros por ano a trabalhadores de baixos rendimentos, ou empregados de empresas em risco de falência.

Há anos que precisamos de um imposto sobre o trabalho remoto. A covid-19 tornou-o óbvio”, afirma o analista do Deutsche Bank, Luke Templeman, que defende que o nosso sistema económico não está preparado para lidar com pessoas que se desconectem da sociedade cara-a-cara.

A equipa de investigadores afirma que esta realidade é justa, porque os trabalhadores remotos têm a capacidade de poupar mais dinheiro em custos de transporte e alimentação em casa do que aqueles que saem para trabalhar.

O vírus beneficiou aqueles que podem fazer o seu trabalho virtualmente, como os analistas de bancos, e ameaçou a subsistência ou a saúde daqueles que não podiam”, acrescentou Templeman.

Segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística, 14.2% da população empregada em Portugal está em regime de Teletrabalho, no terceiro trimestre de 2020, o que se traduz para 681 mil trabalhadores portugueses.

No total, 681,9 mil pessoas indicou ter exercido a sua profissão sempre ou quase sempre em casa na semana de referência ou nas três semanas anteriores, menos 37,7% (412,5 mil) que no trimestre anterior.