A economia da zona euro está a crescer em janeiro ao ritmo mais lento dos últimos cinco anos e meio estando a arrancar 2019 muito próximo da estagnação, segundo uma estimativa do indicador PMI da Markit.

Segundo a Markit, o volume de encomendas registou este mês a primeira descida mensal desde novembro de 2014 e a mais pronunciada desde junho de 2013, afetando o ritmo de criação de emprego, o mais baixo desde setembro de 2016. A contratação acumula cinco meses de contração, sendo o setor dos serviços o mais afetado.

A estimativa do Índice PMI (Purchasing Managers’ Index) composto da atividade total da zona euro da IHS Markit caiu para 50,7 pontos em janeiro, o nível mais baixo desde julho de 2013, ainda que acima dos 50 pontos que marcam o limite entre expansão e recessão, mas abaixo dos 51,1 pontos verificados em dezembro.

Segundo o inquérito elaborado pela Markit, tanto a produção industrial como a atividade do setor dos serviços estão muito próximas da estagnação, com índices de 50,4 pontos e 50,8 pontos, respetivamente.

O economista-chefe da Markit, Chris Williamson, sublinhou num comunicado que o crescimento económico da zona euro ainda se está a aproximar mais da paralisação em janeiro e que estes dados "desalentadores" apontam para um crescimento percentual trimestral do Produto Interno Bruto (PIB) de apenas 0,1%.

Entre as principais preocupações das empresas destacam-se a deterioração da conjuntura económica prevista para este ano, a debilidade do setor automóvel, as tensões do comércio internacional, o 'Brexit' e o aumento das tensões políticas, especialmente em França, com os protestos dos "coletes amarelos", e em Itália.

/ ALM com Lusa