O Instituto Nacional de Estatística (INE) sinalizou  que a informação disponível aponta para uma redução “menos intensa” da atividade económica em julho.

De acordo com a Síntese Económica de Conjuntura, divulgada esta quarta-feira, o indicador de clima económico aumentou entre maio e julho e os indicadores de confiança aumentaram em todos os setores de atividade.

O indicador de clima económico - que sintetiza os saldos de respostas extremas das questões relativas aos inquéritos às empresas aumentou entre maio e julho, de -3,2 pontos em maio, -4,3 pontos em julho e -2,9 pontos em julho.

O indicador de atividade económica, que sintetiza um conjunto de indicadores quantitativos que refletem a evolução da economia, recuperou parcialmente em maio e junho do mínimo observado em abril, passando de -7,7 pontos em maio para -4,4 pontos em junho, após ter atingido em abril o valor de -9,3 pontos.

Por componentes, na ótica da despesa, o indicador quantitativo de consumo privado apresentou em junho uma diminuição homóloga menos intensa que a verificada em maio, após ter atingido em abril o mínimo da série”, refere.

No mesmo sentido, o indicador de investimento registou em junho uma redução homóloga menos acentuada que a observada no mês precedente, acrescenta o INE.

Os indicadores de confiança aumentaram em todos os setores de atividade, de forma mais expressiva na Indústria Transformadora”, refere ainda.

Segundo o INE, em Portugal, os indicadores de curto prazo relativos à atividade económica na perspetiva de produção, disponíveis para junho, “continuaram a estar afetados pelo contexto da pandemia covid-19”.

/ AG