A taxa de desemprego situou-se em 6,1% no terceiro trimestre do ano, inferior em 0,6 pontos percentuais à do trimestre anterior e em 1,9 pontos à do mesmo período do ano passado, divulgou esta quarta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE).

De acordo com as estatísticas do emprego relativas ao terceiro trimestre do ano, “a taxa de desemprego foi estimada em 6,1%, valor inferior em 0,6 pontos percentuais (p.p.) ao do trimestre anterior, em 1,9 p.p. ao do trimestre homólogo de 2020 e em 0,2 p.p. ao do 3.º trimestre de 2019”.

No período em análise, a população empregada (4.878.100 pessoas) aumentou 1,4% (67.600) em relação ao trimestre anterior, 4,7% (219.700) relativamente ao mesmo período de 2020 e 1,5% (71.500), comparativamente ao terceiro trimestre de 2019 (período anterior à pandemia de covid-19).

A população desempregada, estimada em 318.700 pessoas, diminuiu 7,8% (27 mil) em relação ao trimestre anterior e 21% (84.800) relativamente ao mesmo período do ano passado.

A subutilização do trabalho abrangeu 642.400 pessoas, diminuindo 1,8% (11.800) em relação ao trimestre anterior e 20,1% (162.000) relativamente ao período homólogo.

Da mesma forma, também a taxa de subutilização do trabalho, estimada em 11,9%, diminuiu tanto em relação ao trimestre anterior (0,4 pontos percentuais) como ao homólogo (3,2 pontos).

A população inativa com 16 e mais anos (3.612.200 pessoas) diminuiu 0,9% (32.900) relativamente ao trimestre anterior e 3% (111.800) em relação ao trimestre homólogo.

Já a população empregada ausente do trabalho na semana de referência (877 mil) aumentou para mais do dobro (120,8%; 479.900) em relação ao trimestre anterior e 7,6% (62.100) relativamente ao trimestre homólogo de 2020.

O principal motivo de ausência prendeu-se com férias ou feriados, “à semelhança do que usualmente se observa nos terceiros trimestres de cada ano”, apontou a autoridade estatística.

Assim, o volume de horas efetivamente trabalhadas diminuiu 9,3% em relação ao trimestre anterior, mas aumentou 2,3% em termos homólogos.

“Ainda assim, cada pessoa empregada que trabalhou pelo menos uma hora na semana de referência, trabalhou, em média, 39 horas por semana no 3.º trimestre de 2021 (valor superior em uma hora ao do trimestre anterior, mas igual ao do trimestre homólogo)”, observou o INE.

A proporção da população empregada em teletrabalho foi de 12,7%, abrangendo 617.600 pessoas.

A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho, considerou que a descida da taxa de desemprego para 6,1%, “nível mais baixo da década”, mostra a capacidade de responder à crise de “forma diferente” e “com resultados completamente diferentes”.

Uma taxa de desemprego que chega ao nível mais baixo da década mostra bem a capacidade de mobilizarmos recursos para responder de uma forma diferente a uma crise e com resultados completamente diferentes”, afirmou à Lusa a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

Ana Mendes Godinho reagiu desta forma aos dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) hoje divulgados, que dão conta de uma descida da taxa de desemprego para 6,1% no terceiro trimestre do ano, inferior em 0,6 pontos percentuais à do trimestre anterior e em 1,9 pontos à do mesmo período do ano passado.

“São números ‘recorde’ para a taxa de desemprego em Portugal, significam que houve uma grande capacidade e eficácia das medidas que foram tomadas ao longo destes meses para esta resposta coletiva e para conseguirmos apoiar, seja apoiar a manutenção de emprego, seja também apoiar a criação de novo emprego”, sublinhou a governante.

Quando comparados com o mesmo período de 2015, apontou a ministra, os valores hoje conhecidos traduzem-se em “mais meio milhão de pessoas a trabalhar e empregadas”.

/ AG