O primeiro-ministro anuncia esta noite, às 20 horas, numa declaração ao país, as principais medidas de redução da despesa estrutural. Os cortes, estimados em 4,7 mil milhões de euros, são para aplicar entre 2014 e 2016.

As medidas dão cumprimento ao Documento de Estratégia Orçamental 2013-2017, entregue esta semana pelo ministro das Finanças no Parlamento, do qual constavam apenas linhas gerais e valores globais para os cortes.

De acordo com os dados desse documento, é objetivo do Governo cortar 2,8 mil milhões de euros em 2014, 0,7 mil milhões de euros em 2015 e 1,2 mil milhões de euros em 2016.

No mesmo é ainda dito que é necessária uma compensação de 1,1% do Produto Interno Bruto para este ano (devido à deterioração do cenário macroeconómico e ao chumbo do Tribunal Constitucional) para conseguir cumprir a meta do défice orçamental de 5,5% do PIB acordado para este ano.

A conclusão e envio do plano de cortes à troika faz parte das condições impostas para a conclusão com sucesso da sétima avaliação do Programa de Assistência Económica e Financeira (PAEF), cujos resultados foram apresentados a 15 de março pelo ministro das Finanças.
Redação / PGM