A semana arrancou com mais uma subida no preço dos combustíveis. Ao que a TVI conseguiu apurar a semana passada, tanto a gasolina como o gasóleo sofreram um aumento de um cêntimo.

Ora, este aumento acaba por "anular" a descida no Imposto sobre os Produtos Petrolíferos e Energéticos (ISP), medida anunciada na sexta-feira pelo Governo, e que deverá manter-se até ao final de janeiro de 2022.

"Combustíveis em Portugal são mais caros cerca de 20 cêntimos"

André Matias de Almeida, porta-voz da Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM), disse à TVI24 que a associação olha com "imensa preocupação" para estes sucessivos aumentos, por causarem um "impacto brutal" da competitividade das empresas. 

Relativamente à média europeia, os combustíveis em Portugal são mais caros cerca de 20 cêntimos", disse. 

Matias de Almeida alertou ainda para a insolvência das empresas de transporte de mercadorias ou para um cenário de despedimentos coletivos. 

Desde o início do ano que os preços dos combustíveis não param de aumentar, tendo, nos últimos dias, ultrapassado a barreira dos 2 euros em alguns postos do país.

A 1 de janeiro, por exemplo, o preço médio diário da gasolina 95 era, segundo dados da Direção-Geral de Energia e Geologia, de 1,41 cêntimos por litros. Já a gasolina 98, no início do ano custava 1,59 cêntimos/litro, e o gasóleo situava-se nos 1,24 cêntimos. 

A situação resulta de uma conjugação de fatores, desde restrições por parte dos grandes exportadores de petróleo à explosão da procura após a contenção durante a pandemia de covid-19 e à pressão sentida em toda a cadeia logística, na qual se têm registado subidas de preços não só nos transportes, mas também nas operações portuárias e nos seguros.

Cláudia Évora