“A maior parte dos membros do Comité [de Política Monetária (FOMC, na sigla em Inglês)], entre os quais eu própria, prevê que as condições (…) vão provavelmente permitir uma primeira subida das taxas sobre os fundos federais mais para o final do ano, seguida depois por um ritmo gradual de aumento”, especificou.