O ministro das Finanças, João Leão, disse esta terça-feira na apresentação do Orçamento do Estado para o próximo ano que "este é o orçamamento certo para os portugueses".

Sem descurar o rigor, o governante afirmou que o Governo está a aproveitar as margens orçamentais para pôr em prática uma série de medidas que permitiam aos portugueses ter mais rendimento disponível.

Conseguimos ter esta resposta ambiciosa à crise porque criámos condições financeiras de partida sólidas. Gostaria de deixar claro perante o país que esta recuperação assenta em bases financeiras sólidas que construímos ao longo dos últimos quatro anos e que nos deu margem para esta proposta firme que o país agora precisa. Estamos a aproveitar e aproveitaremos as margens de flexibilidade orçamental que temos nas regras orçamentais europeias, mas temos o dever de não colocar em risco a estabilidade e o futuro dos portugueses", afirmou.

 

Também agora não abdicaremos do rigor na gestão dos recursos que são de todos os portugueses, o rigor na gestão orçamental é decisovo, em particular numa situação de crise mundial e de elevada dívida pública", adiantou.

O ministro das Finanças disse ainda que o Governo não hesitará em proteger o rendimento das famílias e o emprego e que recusa a austeridade como resposta à crise.

Tal como temos vindo a fazer desde o início da crise pandémica, não hesitaremos na proteção do rendimento das famílias e no apoio às empresas para a manutenção do emprego. Não hesitaremos em lançar mão de medidas anticíclicas que ajudem a acelerar a recuperação da economia e consequentemente a recuperação do emprego e a melhoria dos rendimentos", disse.

Segundo o governante, a proposta que foi entregue esta segunda-feira à noite no Parlamento "não tem austeridade e não vem acrescentar crise à crise". De acordo com João Leão, o que orçamento para 2021 faz é apostar na "recuperação da economia e na proteção do rendimento dos portugueses" e do emprego, que assume ser a "preocupação central da política económica e orçamental".

Ao contrário do que aconteceu na anterior crise, "recusamos de forma clara o caminho da austeridade para responder à crise", afirmou.

Veja também:

CERCA DE 100 MIL FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS ABRANGIDOS PELO AUMENTO DO SALÁRIO MÍNIMO

NOVO BANCO: "OE NÃO PREVÊ NENHUM EMPRÉSTIMO DO ESTADO AO FUNDO DE RESOLUÇÃO"

MAIS 500 MILHÕES DE EUROS PARA A TAP "NÃO SÃO O PIOR CENÁRIO", DIZ GOVERNO

"OE FOI PROCURANDO RESPONDER ÀS QUESTÕES DOS PARCEIROS. NÃO CONSEGUIRÍAMOS PERCEBER QUE NÃO FOSSE APROVADO"

NOVO APOIO SOCIAL DEVERÁ ABRANGER CERCA DE 170 MIL TRABALHADORES

Lara Ferin