A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, disse esta quarta-feira aos países para "gastarem tanto quanto puderem" nas medidas de combate à pandemia Covid-19, mas "guardarem recibo" e prepararem a retoma.

O que vimos foram os bancos centrais a providenciar liquidez ampla. Oito biliões de dólares [cerca de 7,3 mil milhões de euros] de medidas orçamentais. Portanto, a nossa mensagem é: gastem tanto quanto puderem, mas guardem os recibos. Não queremos que a contabilidade e a transparência sejam relegadas nesta crise", disse Kristalina Georgieva numa teleconferência de imprensa do FMI sobre as Perspetivas Económicas Mundiais.

A diretora-geral do FMI pediu para se assegurar que "os apoios para as famílias e empresas existam durante estes meses de economia parada", sendo medidas como transferências de dinheiro, apoios aos crédito ou mudança de condições do serviço da dívida "todas importantes para assegurar que o sistema financeiro continua a funcionar".

A responsável máxima pela instituição sediada em Washington apelou também para que os países se preparem para a recuperação.

Trabalhem com os profissionais de saúde para saber como é que uma reabertura pode acontecer da melhor forma. Estejam também preparados para estímulos orçamentais quando for tempo, quando a procura aumentar e a economia voltar", apelou a economista búlgara.

Kristalina Georgieva fez ainda referência aos desafios futuros, na fase de recuperação "do outro lado desta crise", como "níveis de dívida elevados, falências, desemprego e aumento da desigualdade", apelando à tomada de medidas "agora" para contrariar tais cenários.

Para o FMI, "tudo está em cima da mesa" em termos de apoio aos países, enfatizou a diretora-geral, garantindo que para já a instituição "está a fazer tudo o que pode com os recursos que tem".

Relativamente ao contexto europeu e às medidas já anunciadas no continente, a responsável disse que se está a assistir "a uma tremenda mobilização entre o Banco Central Europeu (BCE), os governos europeus e as instituições europeias" na resposta à crise da covid-19.

A Europa é particularmente afetada, as projeções para o próximo ano são sombrias, e, ao mesmo tempo, [as instituições] estão a ir para a frente com tudo o que têm para lutar contra a crise. É um momento para a solidariedade europeia e é isso que os cidadãos europeus esperam dos seus governos e das suas instituições", salientou a responsável búlgara.

Kristalina Georgieva saudou ainda o acordo do G20 quanto à suspensão temporária, por 12 meses, do pagamento de dívidas por parte dos países mais pobres.

A economia da zona euro deverá ter uma recessão de 7,5% este ano, de acordo com o FMI, recuperando depois para um crescimento de 4,7%, e a taxa de desemprego agregada dos 19 países deverá subir dos 7,6% para os 10,4%, descendo depois para os 8,9% em 2021.

O FMI prevê ainda que a economia mundial tenha uma recessão de 3% em 2020, fruto do apelidado “Grande Confinamento” devido à pandemia de Covid-19.

Mais de metade dos países pede ajuda

Mais de metade dos 189 países-membros do Fundo Monetário Internacional (FMI) já pediram ajuda financeira à instituição devido à pandemia de Covid-19, afirmou Kristalina Georgieva.

Kristalina Georgieva disse que 102 dos 189 países-membros da instituição já pediram ajuda, sendo que o FMI está preparado para usar a totalidade da reserva de emergência de um bilião de dólares (916 mil milhões de euros) disponibilizada para esta situação de crise, por forma a dar resposta aos pedidos.

É uma crise sem precedentes", disse a responsável do FMI aos jornalistas, reafirmando que a recessão da economia global é a pior desde a Grande Depressão, dos anos 1930.

Kristalina Georgieva falava numa conferência de imprensa, numa altura em que prosseguem as reuniões virtuais de primavera entre o FMI e o Banco Mundial.

A responsável da instituição e o presidente do Banco Mundial, David Malpass, elogiaram a decisão tomada hoje pelos ministros das Finanças e os líderes dos bancos centrais do G20 de suspender a dívida dos países mais pobres por um período de 12 meses, para os ajudar a atravessar a crise criada pela pandemia.

A diretora-geral do FMI referiu também que os programas de apoio de emergência já foram duplicados, de 50 mil milhões de dólares para 100 mil milhões de dólares.

Ao mesmo tempo, a instituição está a preparar-se para apoiar a retoma económica, assim que os países emergirem da crise.

"Nós temos de pensar nos desafios que teremos de enfrentar" no pós-pandemia, vincou, apontando para a grande probabilidade de níveis de dívida elevados em vários países.

. / AG