O Tribunal de Contas (TdC) deu luz verde às empreitadas de construção da Linha Rosa do Metro do Porto e de prolongamento da linha Amarela até Vila d’ Este, em Gaia, disse esta quarta-feira à Lusa fonte oficial da empresa.

O visto do TdC foi dado aos contratos assinados, em novembro, entre a Metro do Porto e o consórcio Ferrovial/ACA, um no valor de 189 milhões de euros, para a construção da Linha Rosa, entre S. Bento e a Casa da Música, no Porto, e outro de 98,9 milhões de euros, para prolongar a linha Amarela entre Santo Ovídeo a Vila d’ Este, em Vila Nova de Gaia.

Pode agora arrancar a edificação de mais seis quilómetros e sete novas estações, no Porto e em Vila Nova de Gaia.

Quando as linhas foram apresentadas, a perspetiva de conclusão das empreitadas era 2023, altura em que se espera juntar 10 milhões de novos clientes à rede.

De acordo com os anúncios do concurso publicados em Diário da República, a linha Rosa tem um prazo de construção de 42 meses (três anos e meio).

No prolongamento da linha Amarela, o "prazo de execução do contrato" é de 34 meses (dois anos e 10 meses).

A nova Linha Rosa (Circular) do Metro do Porto integrará quatro estações e cerca de três quilómetros de via.

Esta ligação, entre a zona de S. Bento/Praça da Liberdade e a Casa da Música, passa pelo Hospital de Santo António, Pavilhão Rosa Mota, Centro Materno-Infantil, Praça de Galiza e polo universitário do Campo Alegre.

A extensão da Linha Amarela permitirá construir um troço com três estações e cerca de três quilómetros, passando pelo Centro de Produção da RTP e pelo Hospital Santos Silva.

As duas empreitadas representam um investimento total de mais de 407 milhões de euros.

Cerca de 137 milhões de euros dizem respeito a concursos complementares à empreitada que terão de ser lançados, ligados à sinalética ou máquinas de bilhética, segundo fonte da empresa.

O Metro do Porto opera atualmente em sete concelhos da Área Metropolitana do Porto através de uma rede de seis linhas, 67 quilómetros e 82 estações, tendo em 2019 ultrapassado os 71 milhões de clientes, de acordo com dados da empresa.

Obras começam este mês

As obras para construir a linha Rosa do Metro do Porto e prolongar a Amarela arrancam a “curto prazo”, ainda este mês, e prolongam-se até 2023, assegurou a empresa, segundo a qual o trabalho no terreno “começa já”.

Estamos a arregaçar as mangas e o trabalho no terreno começa já”, garantiu Tiago Braga, presidente do concelho de administração da Metro do Porto, citado num comunicado da empresa que aponta a construção de ambas as linhas até 2023.

De acordo com a Metro do Porto, “ambas as linhas vão ser construídas entre 2021 e 2023, envolvendo igualmente a aquisição de 18 novos veículos de Metro, já adjudicados ao fabricante CRRC”.

As adjudicações das empreitadas representam um valor global de 288 milhões de euros, dos quais 189 milhões se destinam à Linha Rosa, no Porto, e 98,9 milhões para a Linha Amarela, em Vila Nova de Gaia.

. / AG