“As críticas positivas da CIP (…) ajudam a melhorar o nosso trabalho. E é nesse sentido que estamos abertos a essas sugestões.”






“O que queremos é ser ouvidos porque quem paga os ordenados ao fim do mês são as empresas, os empresários e, por isso, não é por decreto que estas coisas têm de ser ouvidas.”