O Presidente da República considerou, esta sextga-feira, que o acordo alcançado no Eurogrupo "é um começo", mas que a União Europeia "tem a obrigação de ir mais longe" e olhar além da situação sanitária provocada pela covid-19.

Em resposta a questões dos jornalistas, no Palácio de Belém, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa congratulou-se por ter sido possível chegar-se a uma decisão no grupo ministerial informal presidido pelo ministro das Finanças português, Mário Centeno.

Foi bom que tivesse havido. Todos temos a noção de que é uma ajuda, no caso português, 4.600 milhões de euros, é uma ajuda relativamente ao pagamento do lay-off, ao pagamento daqueles pais que estão em casa e continuam em casa para acompanhar os seus filhos devido à inexistência de aulas presenciais, para outros tipos de contributo fundamentais do Estado", salientou.

VEJA TAMBÉM:

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, "seria grave que, decorridos tantos dias, a Europa se não unisse para olhar para aquilo que é urgentíssimo, já devia ter sido"."

Mas é um começo. Eu penso que a Europa tem a obrigação de ir mais longe no futuro. O primeiro-ministro tem dito isso, o Governo português tem-se batido por isso. Fez isto, que é curto, antes ter feito do que não ter feito, mas tem de olhar com mais atenção para além da situação sanitária de emergência imediata para aquilo que é a reconstrução europeia", acrescentou.

/ MM