Marcelo Rebelo de Sousa considerou esta quinta-feira que a descida do «rating» de Portugal se insere numa estratégia dos Estados Unidos contra o euro e favorável ao dólar, defendendo que «há muito» que devia existir uma agência de notação europeia.

«Para mim, é evidente que isto entra numa estratégia americana contra o euro e contra a Europa, em que as agências de rating têm um papel muito importante, são americanas, puxam pelo dólar, têm posições em momentos cruciais desfavoráveis ao euro e a economias europeias», afirmou o antigo presidente do PSD aos jornalistas, citado pela Lusa.

O social-democrata e também comentador político falava esta quinta-feira à entrada para um seminário na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, numa curta declaração aos jornalistas. Para Marcelo Rebelo de Sousa, as agências norte-americanas de notação financeira estão a querer «à força, neste momento, inviabilizar o apoio à Grécia e colar Portugal à Grécia».

«Foi este o objectivo, nitidamente, da Moody¿s», advogou.

Rebelo de Sousa defendeu ainda que a União Europeia «já devia ter criado há muito tempo» uma agência própria e teceu críticas ao modo de actuar dos 27.

«A União Europeia está a reagir ao que se está a passar com um atraso de dois a três anos, esses dois a três anos estão a ser muito graves para as economias europeias», concluiu.
Redação / CPS