“Procuramos, tanto com as autoridades nacionais, como com as europeias, explorar todas as alternativas para evitar a liquidação do banco. Há três anos que estava por fechar o processo das ajudas do Estado, o tempo para resolver a situação do Banif estava esgotado”.


Direitos dos trabalhadores respeitados


"Essa medida restringiu bastante as opções que o Governo tinha para atuar sobre o Banif", frisou o ministro das Finanças, acrescentando haver "uma clara falta de compromisso do governo [anterior] que objetivamente prejudicou a solução, porque diminui as opões disponíveis e colocou pressão sobre a tomada de decisão".

O ministro das Finanças afirmou que os direitos laborais dos trabalhadores do Banif após o resgate do banco "serão respeitados" e uma parte passará para o Santander Totta e outra para a sociedade veículo criada para absorver os ativos tóxicos.

Mário Centeno disse que "os direitos laborais dos trabalhadores serão respeitados", sendo que "parte dos trabalhadores passam para a alçada do Santander Totta e outra parte fica no veículo de gestão de ativos" criado pelo Estado para absorver o que o Santander Totta não quis.
 

Banif vai custar cerca de 4 mil milhões aos contribuintes


quatro mil milhões de euros



 150 milhões de euros

custo muito elevado 





seis propostas de compra