reviu em baixa as estimativas

“Esta realidade económica de crescimento não superior a 1,6/ 1,7 nos próximos anos forçam a necessidade de alterar o conjunto de políticas económicas em Portugal e portanto [são de] validação do Programa de Governo”, afirmou o ministro.




 não vai cumprir a meta do défice de 2,7%


"O Conselho de Ministros decidiu empreender todas as ações necessárias ao cumprimento desse objetivo, determinado o reforço da contenção do lado da despesa, em particular determinou: o congelamento de processos pendentes de descativação e transição de saldos de gerência não urgentes, a redução dos fundos dos níveis das administrações públicas para 2015 em 46 milhões de euros e a não assunção de novos compromissos financeiros não urgentes", adiantou.