O Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) enviou uma carta aberta ao primeiro-ministro.

Em comunicado, quer denunciar ilegalidades e atentados contra os motoristas que aderiram à greve em agosto e acusam as principais empresas de transportes de levarem avante um "massacre".

O sindicato diz que as empresas abriram uma série de processos disciplinares e até despediram trabalhadores.

Arriscaria a falar entre quatro a cinco dezenas de processos disciplinares", afirmou Francisco São Bento, presidente do SNMMP.

Francisco São Bento espera uma resposta de António Costa até quarta-feira. Caso isso não se concretize, prometem recorrer às instâncias internacionais.

"Fizemos estar carta aberta so senhor primeiro-ministro, para procurar que tome a iniciativa perante as instituições que estão sob a sua tutela, para tentarmos chegar a uma solução".

/ CE