O Presidente sudanês, Omar al-Bashir, ameaçou esta terça-feira encerrar os oleodutos que o Sudão do Sul utiliza para exportar o seu petróleo caso Juba forneça apoio aos rebeldes que combatem as forças de Cartum.

Bashir ameaçou «encerrar completamente o oleoduto» que transporta o petróleo sul-sudanês para o terminal sudanês de Port Said, no decurso de uma cerimónia para celebrar a reconquista de Abu Kershola, uma localidade que desde há um mês estava controlada pelos rebeldes na província de Kordofan do Sul.

«Consideramos cancelados todos os acordos de cooperação com o Sudão do Sul caso apoiem os rebeldes no Darfur e no Kordofan do Sul», frisou, antes de recordar que entre os acordos se inclui a exportação de crude proveniente do Sudão do Sul através dos oleodutos sudaneses.

Juba suspendeu a produção de petróleo (350 mil barris diários) em janeiro de 2012 devido a um contencioso com o Sudão relacionado com as taxas de transporte, refinação e exportação, mas em abril passado retomou o fornecimento na sequência de um acordo entre as duas capitais.

O ministro da Defesa do Sudão, Abdulrahim Husein, anunciou hoje que o exército sudanês recuperou a estratégica zona de Abu Karshula, na província de Kordofan do Sul, após combates com rebeldes da Força Revolucionária Sudanesa (FRS).

Em declarações à televisão estatal, Husein assegurou que os rebeldes sofreram «numerosas perdas entre combatentes e equipamentos».

A FRS assumiu o controlo de Abu Karshula em 27 de abril, originando uma vaga de 30 mil deslocados em direção ao vizinho Kordofan do Norte.

A FRS, uma coligação formada pelo Movimento Popular e Libertação do Sudão ¿ Setor Norte (MPLS-SN) e três fações armadas da região do Darfur foi formada em fevereiro de 2012 com o objetivo de derrubar o regime de Al Bashir.
Redação / LF