A bolsa em Lisboa já acentuou a tendência de queda da abertura, com os investidores a aproveitarem para realizarem algumas mais-valias depois dos ganhos de ontem.

O índice PSI20 perde 0,61 por cento para os 7.836,65 pontos, com 13 títulos no vermelho, um estável e seis em alta. Já foram trocadas de mãos mais de 5,4 milhões de acções.

Lisboa segue assim à boleia das restantes pares europeias, que registam descidas entre 0,35% de Frankfurt e 0,78% de Madrid.

Por cá, a pressionar estão os títulos do sector financeiro, numa altura em que a exposição à dívida nacional está a colocar a banca sob alerta vermelho do FMI e em que cresce de tom a ideia de que parte do valor do pacote de ajuda externa deverá ser destinada à banca.

O BCP tomba 1,87% para os 0,57 euros, o BPI recua 1,28% para 1,30 euros, o BES cede 1,08% para os 2,91 euros e o Banif segue estabilizado nos 0,79 euros.

Esta manhã, os juros das Obrigações do Tesouro (OT) a 5 anos voltaram a tocar um novo máximo nos 10,503%. Também os juros das OT a 10 anos batem um novo recorde desde a entrada de Portugal no euro nos 9,082%.

Nota negativa ainda para os títulos da Portugal Telecom (PT) que descem 1,2% para os 8,22 euros e para os da eléctrica EDP que escorregam 0,7% para os 2,81 euros, em dia de Assembleia-geral de accionistas.

Ainda no sector, a Galp Energia desliza 0,26% para os 15,29 euros, numa altura em que os preços do petróleo, em Londres caem ligeiramente. O Brent cota nos 122,94 dólares por barril.

A impedir a bolsa de maiores descidas está, sobretudo, a Sonaecom e a Ren que valorizam 0,44% e 0,47%, respectivamente.