A bolsa de Lisboa fechou, pela terceira vez consecutiva, em terreno positivo: valorizou 0,29% para os 5.659,60 pontos, liderando mesmo os ganhos na Europa. A beneficiar a praça nacional esteve o optimismo do setor financeiro, suportado pelo sucesso do leilão de dívida pública desta manhã.

Entre os títulos da banca foi o BES que mais subiu: disparou 2,06%, para os 1,490 euros. ESFG acompanhou e fechou, pela primeira vez desde que se estreou no PSI20, no verde, ao ganhar 0,54%, para os 5,570 euros. BPI subiu 0,20%, ao passo que BCP não conseguiu acompanhar e perdeu 0,64%.

Destaque ainda para as acções da Jerónimo Martins, que subiram 0,52%, e para as da Sonae Indústria que dispararam 4,20%, para os 0,67 euros, e lideraram as subidas em bolsa.

Do lado oposto, PT perdeu 0,08%, Galp recuou 0,11% e EDP desvalorizou 0,49%. Sonae cai 1,52% e liderou as quedas no PSI20.

Nas restantes praças da Europa, o dia foi volátil: Frankfurt ganhou 0,23%, Londres subiu 0,54%. Já Paris, Madrid e Milão fecharam no vermelho, com quedas de 0,10%, 0,89% e 1,29%, respetivamente.

A marcar os mercados estiveram, por um lado, as boas estimativas do presidente da Fed sobre a economia europeia, mas também a queda, inesperada, da venda de casas usadas nos EUA.

Por isso, também Wall Street arrancou no vermelho, com os investidores preocupados com os sinais de abrandamento económico. A esta hora, Dow Jones perde 0,10%, Nasdaq sobe 0,35%.
Ana Rita Leça