Para o presidente do Banco Central Europeu, é "muito difícil" estimar o impacto que a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais norte-americanas vai ter na política económica da zona euro.

"Alguns questionam-se sobre quais serão as consequências das eleições norte-americanas nas nossas perspetivas, e é realmente muito difícil assegurar qual é o impacto desta mudança na nossa política económica e nas nossas perspetivas sobre a zona euro", assumiu Mario Draghi durante a sua audição no Parlamento Europeu, em Estrasburgo.

Em geral, e já o vimos com o resultado do referendo no Reino Unido, assistimos a uma reação dos mercados bastante significativa na fase inicial, mas que logo se atenuou, e os mercados mostraram a sua resistência".

Foi precisamente esse o termo de comparação utilizado pelos analistas no dia em que se soube que Donald Trump bateu Hillary Clinton nas eleições para suceder a Barack Obama. É que a primeira reação nos mercados, embora tenha sido de pessimismo, esteve longe da derrocada que assistimos quando o sim à saída do Reino Unido da União Europeia ganhou no referendo, em junho.

Veja também:

Trump, os mercados e a economia: hecatombe à vista ou nem por isso?