As palavras do primeiro-ministro animaram os mercados. A Bolsa de Lisboa, que vinha já de uma manhã positiva, aprofundou os ganhos depois de José Sócrates ter anunciado que o défice de 2010 ficará «bem abaixo» dos 7,3% previstos e que Portugal não vai pedir ajuda externa, porque não precisa dela.

O PSI20 ganha2,1% para 7.438,56 pontos, com a banca em claro destaque, depois de ter sido também o mais penalizado nas últimas sessões pelo receio de uma intervenção do Fundo Monetário Internacional (FMI) em Portugal.

O BCP lidera as recuperações, ao trepar 5,35% para 55 cêntimos, seguido do BES, em alta de 2,64% para 2,56 euros, e do BPI, que avança 3,42% para 1,30 euros.

Com todas as empresas do PSI20 a negociarem no verde, há ainda nota para a indústria, onde Altri, Sonae Indústria e Cimpor registam ganhos acima de 3%.

As comunicações também apanharam a boleia nos ganhos: a PT trepa 2,24% para 8,38 euros, a Sonaecom 2,65% para 1,28 euros, e a Zon 3,14% para 3,12 euros.

Na energia, o cenário é idêntico: a Galp cresce 1,17% para 14,31 euros, a EDP sobe 0.89% para 2,50 euros e a subsidiária EDPR 1,36% para 4,26 euros.

Lá por fora, o alívio na praça lisboeta também surtiu efeitos: as restantes praças europeias também estão a recuperar. Madrid sobe 1,35%, Londres 1,3% e Paris 1,2%. Só Frankfurt surge mais distanciada, a subir 0,75%.

Nos EUA, tudo aponta também para uma abertura em alta.
Redação / PGM