O ano de 2012 adivinha-se difícil para os mercados e negócios. Por isso, nada melhor do que conhecer o historial das empresas cotadas do índice de referência nacional - PSI20 - para saber onde deve (ou não) investir.

De acordo com uma análise da empresa de serviços financeiros, WorldSpreads Portugal, podemos esperar «dentro de uma tendência baixista, mas com aspecto positivo», algumas das nossas cotadas, que poderão assinalar «alguma falta de interesse na continuidade das vendas».

É o caso da Altri (com menor volume dos últimos sete anos), do Banif (que conta com o menor volume dos últimos cinco anos), da Mota-Engil (que regista menor volume dos últimos sete anos), da Sonae (que toca o menor volume dos últimos 14 anos), da Sonaecom (com menor volume dos últimos seis anos) e da Sonae Indústria (que assinala também o menor volume dos últimos seis anos).

Logo atrás surge a operadora Portugal Telecom (PT) que conta com o menor volume dos últimos 14 anos, embora se encontre «num suporte importante, que parou a cotada de mais quedas nos anos de 2002 e 2008», revela a mesma análise enviada à redacção da Agência Financeira.



Já a eléctrica EDP perfila o menor volume dos últimos oito anos e «realiza uma figura de possível volta ou incerteza na sua definição de preços». Ao lado aparece a Zon Multimédia, com menor volume dos últimos cinco anos, mas que - em gráfico diário - «supera a directriz baixista realizada em 2011, dando já sinais de querer procurar outro rumo».

Ainda assim, há empresas que até têm registado uma tendência altista - sobretudo entre 2009 e 2011 -mas que, pela forma como encerraram este ano, poderão ter um 2012 negativo. Aqui surge a Jerónimo Martins (com o menor volume dos últimos cinco anos). A retalhista poderá demonstrar algum «cansaço» e poderá confirmar «a possível intenção de maiores correcções».

Depois, aparece a Galp Energia - que toca também o menor volume dos últimos cinco anos - e que é considerada «uma vela envolvente baixista» o que «não é bom sintoma».

Por fim, a Portucel, com o menor volume dos últimos seis anos. Neste caso, há aspectos a ter em conta: «os máximos e mínimos do ano de 2011 serão a referência de futuro».

O que esperar dos índices europeus?



No que respeita à Europa, o índice que melhor aspecto técnico tem para 2012 e futuro é o SMI-20 da Suíça.

Ao contrário, deverá ser retirada a confiança ao DAX-30 da Alemanha. «A sua vela envolvente baixista, acompanhada de maior volume que o registado no período das subidas em 2009 e 2010, conferem-lhe um mau aspecto», explica ainda a WorldSpreads Portugal.

Melhor comportamento nos EUA?

Quanto aos EUA, o Dow Jones Industrial foi o único a registar volume decrescente, embora tenha sido aquele que melhor se comportou em 2011. «Poderá estar a querer passar a ser o indicador adiantado» para a maior economia do mundo.



Já o NASDAQ100 fechou o ano em terreno positivo e «por cima de uma resistência que correspondia aos máximos do ciclo altista registado entre 2003 e 2007. Como nota positiva, o volume acompanha a tendência».

Por último, o S&P500, que negociou o maior volume de sempre. O índice encontra-se «numa resistência muito importante» para o longo prazo.
Redação / CPS