A bolsa de Lisboa acentua a tendência de abertura e avança 0,72 por cento, para 7.600,87 pontos, em linha com a Europa e com o BCP a liderar os ganhos.

A liderar os ganhos estava o BCP, que progredia 1,63 por cento para 0,56 euros, depois de na segunda-feira os accionistas do banco terem aprovado em assembleia-geral um aumento de capital de 1.120,4 milhões de euros, com 99,84 por cento de votos favoráveis.

Na reunião, que decorreu no Porto, os accionistas reconduziram o conselho de administração do banco, presidido por Carlos Santos Ferreira, que passa a ter duas novas caras: José Iglésias Soares - até agora quadro do Banco Atlântico Europa (de capitais angolanos) - e Rui Manuel Teixeira - que era director de marketing do grupo financeiro português.

Ainda no sector financeiro, o BES ganhava 0,57 por cento para 2,81 euros, o BPI progredia 0,40 por cento para 1,25 euros, enquanto o Banif negociava inalterado.

Na energia, o sentimento também era positivo: a EDP avançava 1,09 por cento para 2,78 euros, a EDP Renováveis subia 0,91 por cento para 4,97 euros, a REN ganhava 0,67 por cento para 2,54 euros e a Galp progredia 0,48 por cento para 14,62 euros.

Nas telecomunicações, o peso pesado PT avançava uns ligeiros 0,01 por cento para 8,11 euros, a Sonaecom ganhava 1,31 por cento para 1,55 euros e a ZON subia 1,27 por cento para 3,82 euros.

Nota ainda para os títulos da Cimpor, que apreciavam 0,42 por cento para 4,78 euros, depois de na segunda-feira os accionistas da cimenteira terem aprovado em assembleia-geral a entrada de Paulo Henrique de Oliveira Santos - proposto pelo accionista brasileiro Votorantim Cimentos - no conselho de administração.