A bolsa nacional fechou em leve alta, suportada sobretudo pela EDP, face a uma Europa que não alinhou numa tendência só: dividida entre o receio do abismo orçamental nos eua e os dados macro favoráveis na china

Lisboa ficou do lado dos ganhos, a valorizar 0,18% para 5.625,31 pontos, na quarta sessão consecutiva em crescimento, tendo acumulado esta semana uma valorização de 12,90%.

Apesar do reduzido impacto no índice, as estrelas da sessão são o Banif e a Cofina. O Banif fechou a ganhar 28,8% para 0,16 €; as ações do banco chegaram a disparar 35% para o máximo de dois meses, suportadas numa decisão judicial que abre caminho à reorganização societária e à recapitalização do banco. A Cofina valorizou 12,3%, para máximo de duas semanas, e fechou a ganhar um pouco menos 9,32% para 0,62 €, com as perspetivas favoráveis que se abrem para uma participação na privatização da RTP. A subida reflete as notícias sobre o interesse da Newshold, que também é acionista da Cofina, privatização da RTP.

Cabe à EDP a responsabilidade pela subida do índice, que valorizou 1,45% para 2,24 €. Já a EDP Renováveis corrige dos máximos atingidos na sessão de ontem e cai 0,58% para 4,09 €. Ainda na energia, também a Galp recua e perde 0,13% para 11,74 €.

A Jerónimo Martins também impede maiores ganhos do PSI20, fecha a cair 0,6% para 15,01 €; mas a verdadeira responsabilidade por um ganho tão ténue, é mesmo a Portugal Telecom que recua 1,5% para 3,81 €. De notar que o Millennium Investment Banking reviu em baixa o preço-alvo da ação da Portugal Telecom.

Na banca, o BES valoriza 2,84% para 0,87 € e o BPI sobe 2,28% para 0,897 €. Já o BCP fecha inalterado.

Entre o abismo orçamental nos EUA e o otimismo assente no crescimento da indústria chinesa, a Europa fechou maioritariamente no verde. Segundo uma estimativa preliminar, a indústria transformadora na China cresceu para um máximo de 14 meses em dezembro.

O problema aqui é que não há progressos nas negociações entre republicanos e democratas para definir uma estratégia de consolidação orçamental alternativa que evite o tal precipio orçamental.

Dow Jones segue praticamente na linha de água, a perder 0,02%, Milão fecha a valorizar 0,26%, Madrid ganhou muito pouco com 0,09% e, do lado das perdas, Londres a cair 0,08%.
Redação