A vizinha Espanha colocou esta terça-feira 4.002 milhões de euros em dívida pública a três e nove meses. O montante ficou ligeiramente acima do previsto e os juros pagos foram mais baixos que no leilão anterior.

O Tesouro espanhol colocou 1.740 milhões de euros em títulos a três meses, com uma procura 3,3 vezes superior e com o juro médio a cair para 0,285% (abaixo dos 0,421% pagos no último leilão equivalente).

Por outro lado, colocou também 2.260 milhões em títulos a nove meses com pedidos 2,4 vezes superiores à oferta e juros médios de 1,007%, abaixo dos 1,114% pagos em fevereiro.

O leilão foi um sucesso, se tivermos em conta o clima de tensão nos mercados devido à situação no Chipre, que levou o risco da dívida espanhola, medido pelo diferencial entre os títulos espanhóis e alemães a 10 anos, a aumentar na segunda-feira.

Espanha não foi a única a ressentir-se dos efeitos da situação cipriota no mercado secundário de dívida pública. Os outros países periféricos, incluindo Portugal e Itália, também viram subir os juros das suas obrigações.
Redação