O mercado automóvel em Portugal caiu 36,3% entre janeiro e outubro face ao período homólogo, com 143.733 novos veículos colocados em circulação, segundo dados divulgados pela Associação Automóvel de Portugal (ACAP).

Em outubro, a quebra homóloga foi de 13%, tendo sido vendidos 16.565 novos veículos.

“Portugal continua, assim, a ter uma das maiores quedas percentuais do mercado em toda a União Europeia”, sublinha a ACAP em comunicado.

“Esta situação é ainda mais problemática porque a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo Governo não tem qualquer medida de estímulo à procura, no nosso setor, tal como já fizeram os Governos espanhol, francês ou italiano”, continua a associação.

Por categorias e tipos de veículos, de janeiro a outubro, as matrículas de veículos ligeiros de passageiros totalizaram 119.339 unidades, o que se traduziu numa redução de 37,1% relativamente ao período homólogo.

Em outubro foram matriculados em Portugal 13.679 automóveis ligeiros de passageiros novos, uma queda homóloga de 12,6%.

Também o mercado de ligeiros de mercadorias registou em outubro uma evolução negativa, tendo caído 15,1% face ao mês homólogo, com 2.477 unidades matriculadas.

Em termos acumulados, nos dez meses de 2020, o mercado de ligeiros de mercadorias atingiu 21.104 unidades, uma queda homóloga de 32,1%.

Quanto ao mercado de veículos pesados, que engloba os tipos de passageiros e de mercadorias, sofreu em outubro uma quebra de 15%, tendo sido comercializados 409 veículos.

De janeiro a outubro de 2020 as matrículas de pesados totalizaram 3.290, o que representou uma queda de 32,2% relativamente ao período homólogo de 2019.

/ AM