Várias movimentações políticas em poucos dias estão a fazer com que os investidores optem pela cautela nas bolsas. Falamos de Itália e agora também de França.

Com a vitória do 'não' no referendo constitucional, que levou à com a demissão de Matteo Renzi,o  Presidente do país acabou por intervir e pedir ao primeiro-ministro para renunciar só depois da votação do Orçamento do Estado para 2017, o que ocorrerá na sexta-feira.

 Em França, depois de ter anunciado ontem a candidatura à Presidência, o primeiro-ministro Manuel Valls vai demitir-se já hoje. Ou seja, haverá novo primeiro-ministro e governo. O sucessor já está escolhido: será o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve. 

Os juros da dívida estão a aliviar muito ligeiramente no panorama geral e a abertura das bolsas foi muito tímida. 

Milão abriu a perder, mas entretanto passou para o lado dos ganhos ligeiros estando a esta hora a subir 0,3%.

Em França, as mudanças repentinas a nível político estão a fazer os investidores acusar algum nervosismo, com a praça de Paris a cair 0,3%.

Em Lisboa, a abertura foi positiva e assim permanece, com uma valorização do PSI20 de 0,4%, com destaque para o peso pesado BCP, que avança 1,1% para 1,1375 euros.

Vanessa Cruz