Depois do protesto, a 15 de março, a decisão de avançar com greve. Os trabalhadores da unidade da Figueira da Foz da Navigator Company (antiga Portucel) decidiram hoje, em plenário, parar durante 30 horas entre os dias 12 e 13, reclamando aumentos salariais.

A greve, que vai decorrer das 18:00 do dia 12 de abril até às 24:00 do dia 13, surgiu por "falta de resposta" por parte da empresa Navigator Company "às reivindicações dos trabalhadores", disse à agência Lusa José Paixão, do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente (SITE) do Centro Norte.

José Paixão recordou que foi desenvolvido um abaixo assinado, que recolheu 652 assinaturas de trabalhadores do complexo da Figueira entre 23 e 29 de março, no qual se solicitava uma resposta da administração "até 04 de abril" e se mostrava a disponibilidade "para continuar a negociar e encontrar soluções para as reivindicações dos trabalhadores".

A única resposta chegou hoje, "a dizer que, da parte deles, estava concluído o processo e que não havia mais vontade nenhuma em negociar", referiu o dirigente sindical.

O sindicato defende um aumento salarial de 1,7% para os trabalhadores executantes, sendo que a empresa apresentou uma "proposta variada de aumento", que vai dos 1,1 a 1,3% e de 0,7% para os quadros médios.

"Desde a primeira hora que impuseram a sua vontade. Obviamente que o acordo não foi possível", sublinhou José Paixão, recordando que as propostas são abaixo da inflação, num momento em que a empresa regista 217,5 milhões de euros de lucros.

"A The Navigator Company lamenta que após 6 reuniões não tenha sido possível chegar a acordo", afirmou à agência Lusa fonte oficial da Navigator Company.

A mesma fonte sublinhou que "a proposta apresentada mantém a empresa como um dos três melhores pagadores do distrito, com aumentos de 1,3%, prémios médios de 2,3 ordenados brutos, 3,5% de aumento do subsídio de refeição para 7,35 euros, isto num ano em que a empresa integrou nos seus quadros 300 colaboradores, 255 na Figueira da Foz, de empresas subcontratadas".

Nos últimos 25 anos os colaboradores receberam todos os anos, sem exceção, aumentos acima da inflação e prémios entre 1,25 e 3 ordenados brutos [e oferece] aos seus trabalhadores de forma gratuita seguro de saúde que inclui medicamentos, seguro de vida, enfermagem, medicina de trabalho e medicina curativa, consultas de psicologia, fisioterapia, nutricionista e assistente social".

Segundo dados da empresa, a The Navigator Company, herdeira do património do ex-grupo Portucel Soporcel, desde 2016, é a terceira maior exportadora em Portugal e representa 1,0% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional.

A Navigator Company atingiu um novo máximo histórico de produção de papel em 2016 e teve um volume de negócios de cerca de 1,6 mil milhões de euros.

/ VC