O presidente executivo da Portugal Telecom (PT), Zeinal Bava, afirmou em declarações à Lusa que, perante os resultados divulgados esta quinta-feira, a empresa está «confortável com a estrutura de balanço» e que, até final de 2012, não terá «necessidades de refinanciamento».

Questionado por escrito pela Lusa se considerava os resultados da PT menos positivos, excluindo o efeito do negócio da Vivo, já que, à excepção da área internacional, a empresa viu cair em receitas em quase todo o negócio doméstico, Zeinal Bava respondeu que «as margens e a geração de cash-flow estão estáveis dada a disciplina de custos na PT».

Perdas de receitas da TMN

Zeinal Bava, perante a questão de como justificava a perda de receitas da TMN, que obteve uma queda de 8,6 por cento em 2010 face ao ano anterior, respondeu com um aumento do número de clientes: «A TMN terminou o ano de 2010 com 7,4 milhões de clientes, mais 167 mil que no ano de 2009», sendo que este crescimento «deveu-se sobretudo à adesão da banda larga móvel».

O comunicado enviado pela PT à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) mostra que as receitas de segmento móvel diminuíram 130 milhões de euros, de 1.518 milhões de euros em 2009 para 1.387 milhões de euros em 2010.

Relativamente ao comportamento do triple Play Meo, o presidente executivo da PT observou que «atingiu 30 por cento de quota de mercado, o que representa mais de 10 por cento de quota por ano no pay tv», acrescentando que «não há paralelo na Europa de um crescimento tão rápido».
Redação / LF