«Não há trabalhadores no BPN sem funções». A garantia surgiu por parte do presidente do Banco Português de Negócios (BPN) na comissão de Orçamento e Finanças, que decorre esta segunda-feira no Parlamento.



«Não há trabalhadores sem funções. O que existe são cerca de 10 trabalhadores, ou mesmo menos, que têm processos com os anteriores administradores ou não acham que as actuais funções não são compatíveis com os anteriores cargos ou que lhes foram retirados regalias...», explicou Francisco Bandeira.



«E quais as funções desses trabalhadores?», questionou o deputado do Bloco de Esquerda José Gusmão. «Tinham funções de adminstraçao ou assim...», disse o presidente do BPN.



«Há, de facto, uma acção judicial a decorrer contra alguns trabalhadores que tinham elevado as suas remunerações de forma ilegal», adiantou Lourenço Soares, administrador a tempo inteiro no BPN, também presente na comissão, que fez questão de sublinhar: «Nenhum trabalhador foi afastado por embirração nossa».

Além disso, Francisco Bandeira sublinhou que «só o aumento significativo do volume de negócios e da rentabilidade permitirá manter a estrutura de trabalhadores». No total, trabalham no BPN 1.800 funcionários.
Ana Rita Leça