O Governo autorizou a TAP a fazer incidir os cortes salariais maioritariamente nos subsídios de férias e de Natal.

As reduções serão feitas já a partir deste mês também nas componentes variáveis dos vencimentos. O mesmo é dizer horas extraordinárias, pernoitas, subsídios ligados à hora de voo, entre outros.

Segundo o «Diário de Notícias», para este plano avançar contribuiu o facto de a administração da TAP se comprometer a reduzir as despesas operacionais até acima da meta de 15% exigida pelas Finanças.

O jornal refere que o aval foi dado na última sexta-feira, com a aprovação da Parpública, tendo o compromisso de a TAP cortar mais do que o suposto funcionado como contrapartida.

Note-se que o ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações veio dizer ontem que a TAP vai cumprir «escrupulosamente» as orientações do Governo sobre os cortes salariais.

Mas que directrizes são essas? Em relação à possibilidade de o corte nos salários ser aplicado sobre os subsídios e de não serem efectuadas as reduções em Fevereiro, António Mendonça garantia apenas que «existem orientações do Governo e essas orientações vão ser cumpridas escrupulosamente por todas as empresas do sector».

Ainda sobre os cortes salariais, a CP vai ser processada, não pelo Estado mas sim pelos trabalhadores. Os funcionários alegam que a empresa está a cortar ilegalmente uma parte dos vencimentos.
Redação / VC