O investimento teve em 2011 uma quebra de 14 por cento, a maior de que há registo, caindo para níveis inferiores aos que se registavam em 1995, segundo dados esta sexta-feira divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

O INE confirmou que o PIB diminuiu 1,6 por cento em 2011 por comparação com o ano anterior.

Um dos fatores que contribuiu para esta quebra foi a redução no investimento (formação bruta de capital), que caiu 14 por cento face ao ano anterior. Esta redução é a mais forte de que há registo nos números do INE (que recuam até 1996).

Para além da redução percentual, o nível do investimento no ano passado caiu para mínimos históricos em volume.

Em números ajustados para a inflação, o investimento em 2011 ascendeu a 27.165 milhões de euros. Em 2001, este valor chegava aos 41.539 milhões; em 1995, o ano mais antigo desta série, o investimento representava 27.885 milhões de euros.

Em 2011, a redução foi transversal a todas as áreas do investimento, com exceção da categoria agrícola «animais e plantações», relativamente pouco significativa, que aumentou 2,5 por cento.

Pelo contrário, as categorias relativamente ao investimento em material de transporte (caiu 22,9 por cento), construção (menos 11,5 por cento) e outras máquinas equipamentos (menos 10,1 por cento) sofreram todas quedas acentuadas.

Como em outros indicadores, a redução no investimento agravou-se especialmente no último trimestre do ano. Segundo o INE, nos últimos três meses de 2011, o investimento caiu 24,3 por cento relativamente ao mesmo período do ano anterior.
Redação / JF