A chanceler alemã e a diretora do FMI aplaudiram esta quinta-feira o acordo alcançado nesta madrugada pelo Eurogrupo no sentido de criar um supervisor bancário comum.

Na sua intervenção no Bundestag, o Parlamento alemão, antes da cimeira europeia, Angela Merkel, citada pela Lusa, destacou que o acordo alcançado esta madrugada marca uma «clara separação» entre as funções do Banco Central Europeu (BCE) como autoridade em matéria de política monetária e, a partir de 2014, como supervisor bancário.

A chefe do Governo da Alemanha sublinhou que o supervisor comum não vai controlar as 6 mil entidades financeiras da Europa, mas sim apenas os bancos qualificados como «risco sistémico», cujo ativos superem os 30 mil milhões de euros ou 20% do Produto Interno Bruto (PIB) do país membro ao qual pertença.

Já da parte do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde afirmou: «Congratulo-me com a decisão do Eurogrupo de apoiar a recompra de dívida grega, uma operação que permitirá ao Governo helénico um alívio da dívida pública em 2013».

Segundo a diretora geral do FMI, «estas medidas irão garantir que a dívida pública da Grécia irá descer para 124% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020 e, substancialmente, abaixo dos 110% do PIB em 2022».

Já hoje o presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, saudou o acordo «excecionalmente importante» alcançado pelos ministros das Finanças dos 27 sobre o Mecanismo Único de Supervisão Bancária.

A proposta para o mecanismo único de supervisão foi apresentada pela Comissão Europeia em setembro e, depois do acordo de hoje, deverá ainda receber «luz verde» do Parlamento Europeu.
Redação