James Murdoch, filho do magnata da comunicação social Rupert Murdoch, reconheceu esta terça-feira, numa comissão independente, ter comentado com o então líder conservador David Cameron, atual primeiro-ministro britânico, um eventual apoio editorial durante a campanha eleitoral.

Murdoch, que em fevereiro passado anunciou a demissão de presidente executivo do grupo News International, proprietário de jornais como o «The Sun» e «The Times» e do extinto «News of the World», envolvido num escândalo de escutas telefónicas, revelou ter-se encontrado com Cameron em setembro de 2009 e ter abordado o apoio do The Sun ao Partido Conservador para as eleições de 2010, escrutínio que o atual primeiro-ministro britânico acabaria por ganhar, mas sem maioria absoluta, escreve a Lusa.

Diante da mesma comissão presidida pelo juiz Brian Leveson, que está a investigar os princípios éticos da imprensa britânica e a relação entre jornalistas e políticos, Murdoch revelou que se reuniu com Cameron, quando este era líder da oposição, pelo menos 12 vezes.

Murdoch também explicou que se encontrou, em privado, por diversas ocasiões, com Tony Blair, antigo primeiro-ministro britânico e ex-líder dos trabalhistas.

O pai de James, Rupert Murdoch, deverá comparecer diante da comissão Leveson na quarta e na quinta-feira.
Redação / CPS