A Parpública obteve 71,3 milhões de euros de lucros no primeiro semestre deste ano depois de ter registado prejuízos de 107,6 milhões em igual período de 2010.

O activo líquido da empresa gestora das participações do Estado era, no final de primeiro semestre deste ano, de 19,2 mil milhões de euros, 526 milhões acima do verificado face ao homólogo de 2010, segundo relatório semestral da Parpública, citado pela Lusa.

A empresa passou a contabilizar os activos e passivos da TAP de forma autónoma, tendo, também, sido classificadas como activos detidos para venda as participações na EDP, na REN e na Hidroeléctrica de Cahora Bassa (HCB), sendo que as privatizações das duas primeiras deverão ocorrer, «preferencialmente», até ao final deste ano, enquanto a alienação da HCB deve acontecer «dentro de um ano».

«Prevê-se assim que durante o segundo semestre venham a estar reunidas as condições para que o governo possa decidir sobre as diversas questões relacionadas com as operações de venda das participações em causa, nomeadamente quanto aos respectivos modelos de venda e abordagem de mercado, preços e calendários».

Nos primeiros seis meses de 2011, «todos os segmentos apresentaram resultados positivos», excepto as actividades aeronáuticas por culpa do grupo TAP e a categoria de gestão e promoção imobiliária, que se deveu aos resultados do grupo Sagestamo, por acréscimo de encargos com o passivo.

«As perspectivas para o final do corrente ano estão naturalmente dependentes da evolução dos mercados financeiros em geral e bolsistas em particular, evolução que, além de influenciar o valor dos ativos em carteira poderá também moldar o calendário das operações de reprivatização com concretização prevista para o segundo semestre do corrente ano», acrescenta a empresa.
Redação