O presidente executivo da Portugal Telecom, Zeinal Bava, inicia esta segunda-feira um road show de dez dias junto de investidores dos Estados Unidos para tentar obter meios que lhe permitam disputar a liderança da Vivo, a operadora brasileira que a PT divide com a espanhola Telefónica.

Depois de os espanhóis terem oferecido, na terça-feira passada, 5,7 mil milhões de euros pelos 50% da Vivo detidos pela PT (e que representam quase metade das receitas do grupo português), Zeinal Bava lança agora o contra-ataque ao gigante espanhol, dedicando as próximas duas semanas a percorrer seis estados norte-americanos.

Depois de Seatle e da Califórnia, o CEO português seguirá para a Costa Leste, terminando o seu périplo em Nova Iorque a integrar a «embaixada» económica: iniciativa promovida pela Euronext e pelo BES Investimento e que integrará as principais empresas do PSI20 e o ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, em Wall Street.

Zeinal Bava partirá, depois, para Londres, onde inicia uma viagem pelas principais praças europeias com o objectivo claro de convencer os accionistas institucionais a estarem do seu lado no apoio à rejeição da proposta de compra da participação portuguesa na Vivo.

«A PT é uma empresa que promete e cumpre e é isso que me permite dizer que a credibilidade que temos nos mercados internacionais permite encarar este próximo desafio que temos pela frente com confiança», disse Zeinal Bava no domingo, à saída da comissão parlamentar de inquérito ao caso PT/TVI, refere a Lusa.

«O nosso próximo desafio tem a ver com todo o tema do Brasil, que é o que vai ocupar grande parte do meu tempo de gestão e da minha equipa», acrescentou o presidente executivo da PT, acrescentando que «o objectivo de contrariar a ofensiva lançada pela Telefónica mereceu, aliás, o apoio explícito de diversos parlamentares, nomeadamente do PSD e do PS».

Agostinho Branquinho, deputado social-democrata, desejou mesmo boa sorte para o road show de Bava: «Para nós grupo parlamentar do PSD, e para mim enquanto deputado, o que é fundamental é que a PT tenha sucesso, pelo que renovo [os votos de] que seja bem sucedido no trabalho que irá executar nas próximas horas».
Redação / RL