A Renault já apresentou aqueles que são os seus dois primeiros automóveis eléctricos, resultado de uma aposta estratégica no valor de quatro mil milhões de euros.

O objectivo da marca é apostar num segmento que, estima, deverá representar 10 por cento do mercado automóvel mundial em 2020.

Para Portugal, foi anunciado o lançamento dos dois primeiros modelos, o Fluence Z.E. (zero emissões), um carro familiar moderno, totalmente eléctrico, e o Renault Kangoo Z.E., que chegarão ao mercado nacional a partir de um de Janeiro de 2012, ao preço das linhas homólogas a motor térmico, informou o responsável pelas operações do grupo Renault/Nissan.

A Renault deu formação a um total de 8.600 funcionários, antes de colocar os automóveis eléctricos no mercado, e assinou uma centena de parcerias em todo o mundo.

A marca estima que, em 2012, terá um total de 50 mil postos de abastecimento destes veículos em toda a Europa, mil dos quais em Portugal, «um dos países mais avançados neste domínio», disse Carlos Tavares, cita pela agência Lusa.

O responsável informou ainda que o objectivo é chegar aos 1,5 milhões de veículos eléctricos a circular, até 2016. De acordo com Carlos Tavares, este número garantirá ao grupo a liderança do mercado mundial.

Quanto às expectativas comerciais para este segmento - sobretudo numa conjuntura de crise, em que o mercado automóvel está a cair em Portugal cerca de 40% -, a determinação da marca passa por «liderar o mercado mundial de veículos eléctricos».