A construtora automóvel francesa Renault suspendeu três gestores de topo, por alegadamente terem passado para fora da empresa segredos industriais relativos ao programa de desenvolvimento de veículos eléctricos, revela a agência noticiosa France Press, esta quarta-feira, nota a Lusa.

Um porta-voz da construtora afirmou que a Renault tinha suspendido os três altos quadros devido a questões éticas não especificadas, mas fontes anónimas citadas pela France Press afirmam que a suspensão foi consequência de um caso de espionagem industrial.

«Tem tudo a ver com o veículo eléctrico», disse a fonte.

Uma porta-voz da Renault, citada pela France Press, disse que «no final de Agosto de 2010, a comissão de deontologia recebeu um alerta ético» e que «a investigação que se seguiu levou à suspensão de três executivos» sem que, no entanto, tenha sido feita qualquer queixa formal.

Os três responsáveis lideravam projectos de carros eléctricos, e um era membro da comissão de gestão da empresa, tendo-lhes sido dito para abandonarem o posto de trabalho na segunda-feira, segundo as fontes.

A Renault planeia lançar os carros eléctricos Fluence e Kangoo Express em meados de 2011 e os modelos Twizy e Zoe no final deste ano ou inícios do próximo.

Um escândalo de espionagem industrial já tinha abalado o construtor francês em 2007, quando uma revista divulgou fotografias e projectos de dois novos modelos que a Renault estava a desenvolver.
Redação / LF