A Soares da Costa assinalou prejuízos de 17 milhões de euros, nos primeiros seis meses deste ano, depois de ter um lucro de 1,9 milhões de euros no mesmo período do ano passado, anunciou esta sexta-feira a empresa.

Num comunicado emitido no regulador da bolsa (CMVM), a construtora explica que os resultados foram prejudicados pelo facto de ter havido custos não recorrentes e por alterações do método de contabilização da concessão da Autoestrada da Beira Interior.

De acordo com a empresa, foram registados valores extraordinários de 6,4 milhões euros de custos com indemnizações por reduções de pessoal e 8,7 milhões de custos de índole fiscal.

Sem os efeitos destas alterações, assegura a empresa, o prejuízo semestral seria de 400.000 euros.

Em termos de faturação, a construtora apresentou uma redução de 8,8 milhões de euros entre semestres, registando um volume de negócios de 411 milhões de euros este ano.

A maior parte do negócio da empresa (70 por cento) foi conseguido fora do país, representando 288 milhões de euros, ou seja, mais 11 por cento do que no período homólogo do ano passado, crescendo sobretudo em Angola, nos Estados Unidos e em Moçambique, acrescenta a Lusa.

Os resultados operacionais da construtora também sofreram uma queda, passando de 30,9 milhões de euros nos primeiros seis meses do ano passado para 1,5 milhões este ano. A empresa sublinha que, sem os efeitos dos custos extra e dos novos métodos contabilísticos, a descida teria sido de 8,8 por cento, para 28,6 milhões de euros.

Quanto ao EBITDA ajustado (resultados antes de impostos, juros, depreciações e amortizações), a variação registada foi de 13,1 por cento, chegando aos 54,3 milhões de euros.

A empresa adianta ainda que continua a desinvestir «em áreas consideradas não estratégicas e/ou de ativos maduros» e que, a 30 de junho, a sua carteira de negócios ascendia a 1.182 milhões de euros.
Redação / CPS