A Volkswagen apresentou ao grande público, no Salão de Paris, a sétima geração do novo Golf: «o mais verde de todos os tempos», diz a empresa em comunicado.

A marca aproveitou para apresentar uma nova gama de motorizações com consumo de combustível otimizado, incluindo a versão de 3.2 litros e, ao mesmo tempo, elevou no caderno de encargos a fasquia no que concerne à compatibilidade ambiental.

Os motores do novo Golf são mais económicos em termos de combustível: consomem apenas 3,8 litros de diesel aos 100 kms, o que corresponde a 99 g / km de CO2 (1.6 TDI com 105 Cv) ou 4,8 litros de gasolina aos 100 kms, o equivalente a 112 g / km de CO2 (1. 4 TSI com 140 Cv).

O peso do veículo também foi reduzido até 100 quilos e as emissões de CO2 foram reduzidas até 23%.

A variante BlueMotion, que chegará a meio do próximo ano, vai consumir apenas 3,2 litros e emitir 85 g / km de CO2. Para esta economia de combustível contribui também o sistema Stop / Start com recuperação de energia de travagem (de série), sem qualquer custo adicional.

O programa do grupo já inclui, neste momento, 31 variantes de modelos com emissões de CO2 inferiores a 100 g/km.

»A Volkswagen já definiu as diretrizes com vista a tornar-se no construtor mais ecológico do mundo em 2018. Para o efeito, mais de dois terços do investimento total de 62,4 mil milhões de euros para o período até 2016 serão gastos em veículos cada vez mais eficientes, motorizações, tecnologias e compatibilidade ambiental de produção», acrescenta ainda a empresa.

De forma voluntária, o grupo assumiu ainda o compromisso de atingir uma meta de emissões de CO2 inferiores a 120 g/km até 2015.

«A geração de cada modelo será entre 10 a 15 por cento mais eficiente do que o seu antecessor. A produção será ecologicamente reestruturada em 2018, com o consumo de energia e água mais baixos em 25 por cento» e resíduos e emissões também reduzidas em 25 por cento, cada uma.

As emissões de gases com efeito estufa na produção devem ser reduzidas em 40% até 2020.
Redação / CPS