A Zon Multimédia fechou o primeiro semestre com uma quebra de 15,4 por cento nos lucros em comparação com o mesmo período do ano passado, de 22,9 milhões para 19,4 milhões de euros, revela a empresa em comunicado enviado à CMVM.

Só no segundo trimestre, a operadora liderada por Rodrigo Costa obteve um resultado líquido de 9,2 milhões de euros, abaixo do esperado pelos analistas.

A empresa justifica este resultado com o «impacto da consolidação da operação angolana e de um nível mais normalizado de Imposto Sobre o Rendimento (IRS)», lê-se no comunicado enviado ao regulador.

As receitas caíram 1% nos primeiros seis meses do ano, face ao mesmo período 425 milhões de euros, para os 425 milhões de euros, e o investimento da Zon reduziu-se em 37%, para 35,5 milhões de euros.

Já o EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações)atingiu os 158 milhões de euros, mais 5,7%, justicado pela operadora nacional com a «redução dos custos comerciais relacionados com clientes, sobretudo devido ao ritmo menos acelerado de crescimento de RGUs, ao ambiente competitivo e promocional menos agressivo que proporcionou menores níveis de churn e também de um enfoque claro no controlo de custos».

No final de Junho, a Zon tinha mais 2.300 clientes em comparação com há um ano, sendo que, destes, 58,6% são triple play. Na banda larga e voz fixa o crescimento foi de 10,1 mil e 19,3 mil subscritores.