A atividade na construção deverá crescer cerca de 2,2% este ano, abrandando ligeiramente face aos 2,5% estimados para 2020, com o dinamismo da engenharia civil a compensar a contração prevista na construção residencial pela primeira vez desde 2014.

Não obstante o ano de 2021 ser ainda um ano marcado pelos efeitos do surto pandémico, com elevado grau de incerteza, à semelhança do observado em 2020, prevê-se que a atividade do setor da construção mantenha uma evolução globalmente positiva”, referem as associações dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN) e de Empresas de Construção, Obras Públicas e Serviços (AECOPS) em comunicado.

Na edição de janeiro da ‘Conjuntura da Construção’, as associações referem que o intervalo de previsão aponta para uma taxa de crescimento real do setor “entre 1,2% e 3,2%, o que representa um valor médio de 2,2%, valor ligeiramente inferior ao crescimento de 2,5% estimado para 2020”.

No segmento da construção residencial, que em 2020 “manteve um nível de elevada procura nacional e internacional e continuou a beneficiar de um enquadramento macroeconómico marcado por taxas de juro historicamente baixas”, as previsões para 2021 apontam, agora, para uma variação da produção entre -2% e 0%, com o ponto médio do intervalo a situar-se em -1,0%.

Esta interrupção da trajetória de crescimento iniciada em 2014 deve-se, essencialmente, a um elevado nível de incerteza que poderá conduzir ao abrandamento de investimentos já previstos, bem como ao impacto da quebra ocorrida no licenciamento de obras pelas câmaras municipais”, avançam as associações.

Os dados disponíveis até novembro de 2020 indicam uma redução do número de fogos licenciados em construções novas de 1,3% e, nas obras de reabilitação de edifícios residenciais, uma quebra homóloga de 8,1%.

Relativamente ao segmento da construção não residencial, prevê-se que a produção registe “uma quebra mais intensa que a ocorrida em 2020”, estimando-se agora uma redução entre 2,1% e 0,1%, a que corresponde um ponto médio de -1,1%, mais do dobro da contração de 0,5% em 2020.

Esta evolução negativa da produção do segmento resulta da diminuição da atividade da sua componente privada que, após a quebra de 2,0% de 2020, deverá contrair-se cerca de 3,0% em termos reais em 2021.

Já na componente das obras públicas em edifícios não residenciais prevê-se um crescimento em redor de 2,0% para 2021, semelhante ao ocorrido em 2020.

De acordo com a AICCOPN e AECOPS, “na base deste decréscimo previsto para a evolução da produção de novos espaços não residenciais privados está o indicador relativo às áreas licenciadas por destino de edifício”.

Este indicador diminuiu, na globalidade, 4,7% até outubro de 2020, o que corresponde a uma redução em termos absolutos de 106,3 mil metros quadrados face ao mesmo período do ano anterior, “com decréscimos significativos nas áreas licenciadas em edifícios destinados à indústria, turismo, transportes e uso geral”.

Por outro lado, a componente pública da construção de edifícios não residenciais “beneficia da evolução muito positiva do mercado das obras públicas ao longo de 2020, com crescimentos acentuados tanto no lançamento de novos concursos de empreitadas de obras públicas, como no volume de contratos celebrados”.

No que diz respeito ao segmento da engenharia civil, prevê-se que 2021 seja “um ano marcadamente positivo, com a duplicação da taxa de crescimento face ao ano anterior”: de +3,0% estimados para 2020 para +6,0% em 2021, no ponto médio do intervalo de previsão.

Na base desta perspetiva favorável está “o reforço do peso do investimento público no Produto Interno Bruto (de 2,5% em 2020 para 2,9% em 2021, segundo as previsões da Comissão Europeia), em resultado da esperada execução dos fundos comunitários inscritos no Portugal 2020 e do expressivo aumento dos montantes de empreitadas de obras públicas promovidos e celebrados em 2020”.

“Note-se que o valor global dos cerca de 11 mil contratos de empreitadas de obras públicas celebrados ao longo de 2020 e que foram registados no Portal Base até 31 de dezembro rondou os 3,1 mil milhões de euros, refletindo acréscimos de 10,1% em número e 32,9% em valor, face aos totais apurados em 2019”, referem as associações setoriais.

/ MJC